Mais um suspeito de envolvimento na morte do jogador Daniel se apresenta à polícia e algo choca!

Jogador foi morto em 27 de outubro. Suspeito que confessou ter matado o atleta está preso, junto com a esposa e a filha. Caso aconteceu na Região de Curitiba.

Mais um suspeito de envolvimento na morte do jogador Daniel se apresentou à Delegacia de São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, no início da tarde desta segunda-feira (5). Ele é de Foz do Iguaçu, oeste do Paraná, e tem 19 anos.

O corpo de Daniel foi encontrado em 27 de outubro em São José dos Pinhais. De acordo com a Polícia Civil, o órgão genital do jogador foi cortado. A apuração preliminar do Instituto Médico-Legal (IML) apontou ferimento por arma branca como causa da morte.

O empresário Edison Brittes Júnior, de 38 anos, a esposa de Cristiana Brittes, de 35 anos, e a filha Allna Brites, de 18 anos, estão presos temporariamente suspeito da morte do atleta.

A família presta depoimento à Polícia Civil nesta segunda-feira (5). Ele confessou o crime, em entrevista à RPC Curitiba. Edison Júnior alegou que o jogador tentou estuprar a esposa Cristiana Brittes.

Segundo o advogado que representa este quarto suspeito, Edson Stadler, ele foi liberado após a apresentação e deve ser ouvido pela polícia na quinta-feira (8). Ainda conforme o advogado, ele é primo de Cristiana Brittes.

A Polícia Civil do Paraná ainda busca dois suspeitos que teriam participado da morte de Daniel.

“Nós estamos identificando quem são as pessoas que estavam na casa junto do principal suspeito. Sabemos que três pessoas entraram com ele e o jogador dentro do carro para matar Daniel”, havia afirmado anteriormente o delegado Amadeu Trevisan, da Delegacia de São José dos Pinhais.

Edison Júnior, Cristiana e Allana Brittes estão presos temporariamente, com validade de 30 dias. Esse prazo pode ser prorrogado pelo mesmo período.

 

Fonte: G1

Monitor de van escolar tirava fotos de aluna dormindo e assediava pelo WhatsApp “Eu beijava fácil!”

Um homem de 32 anos foi flagrado por uma mãe, no momento em que assediava através do aplicativo WhatsApp a sua filha, uma estudante de 14 an0s.  A mãe descobriu tudo quando pegou o celular da filha e viu todo histórico das mensagens dele. Ela procurou a direção da escola e fez um boletim de ocorrência na delegacia mais próxima.

De acordo com a reportagem, o homem, que é motorista e noivo da proprietária da van, que transportava os estudantes, fotografava a aluna dormindo e depois a assediava pelo aplicativo.

Assista na íntegra à reportagem do Programa Balanço Geral da TV Record:

 

 

Allana também mentiu e fingiu para mãe de jogador sobre procurar no IML; prints

Desde que o corpo do jogador Daniel Corrêa foi localizado em uma área de mata em São José dos Pinhas no Paraná, a Polícia continua com as investigações para descobrir o que exatamente teria acontecido na noite em que o atleta foi morto na residência de Edison Brittes, réu confesso na morte de Daniel. De acordo com novas informações passadas pelo portal R7 e G1, a filha do suspeito, Allana Brittes, que também está detida, teria trocado mensagens via WhatsApp com a mãe da vítima um dia após o crime e teria dito que junto do pai, iria ao IML para procurar o corpo do jogador.

Mensagens entre Allana e mãe de Daniel são expostas
Uma série de mensagens trocadas entre a filha do suspeito e a mãe da vítima se tornaram públicas pela imprensa.

No bate papo, que aconteceu através de aplicativo de mensagens no celular, a família de Daniel teria questionado Allana sobre o que teria acontecido em sua festa de aniversário, em que o atleta participou. Ao ser indagada se houve algum tipo de briga, a jovem afirmou que não e disse que o jogador apenas deu tchau e teria ido embora do local.

Em outra parte da conversa, Allana teria tranquilizado a mãe do jogador dizendo que junto do pai, Edison Brittes, iriam até o Instituto Médico Legal procurar o corpo do jogador: “Se Deus quiser não vai ser ele. Vamos ter fé. Vai dar tudo certo”. Escreveu a jovem que se contradisse em depoimento ao afirmar que teria presenciado o pai agredindo Daniell dentro de sua casa.

 

Veja a conversa de Allana, filha do assassino do jogador Daniel mentindo para a mãe do jogador após a morte

Uma conversa no whatsapp de Allana Emelly Brittes, filha de Edison Brittes que assumiu o assassinato de Daniel Freitas, com a mãe do jogador Eliana Corrêa, mostram que Allana mentiu horas após o crime e fingiu se surpreender com a morte de Daniel.

A garota disse que havia presenciado Daniel sair da casa onde todos estavam. “Todos estavam aqui, ele [Daniel] só levantou e foi embora.” Questionada por Eliana Corrêa, mãe de Daniel, sobre se alguém teria visto o rapaz saindo, Allana respondeu: ‘”Ele ficou bastante tempo no celular e foi”. Eliana seguiu questionando a jovem sobre se alguém teria visto como o jogador saiu da casa e Allana respondeu. “Não, só viram que saiu sozinho”.

Eliana Corrêa seguiu pressionando Allana e perguntou se teria acontecido alguma briga. A jovem afirmou que não. “Claro que não, imagina. Era minha casa”, diz parte da conversa.

A conversa entre Allana Brittes e Eliana Corrêa diverge das declarações dada pela família à Polícia Civil.

 

 

Veja a conversa do WhatsApp que supostamente causou a morte do ex jogador Daniel; imagens

O ex-jogador do Coritiba, Daniel Corrêa Freitas, de 24 anos, encontrado morto na tarde do último sábado (27), com o pênis decepado, em São José dos Pinhais, trocou mensagens com um amigo momentos antes de ser brutalmente assassinado. Nas mensagens, o meio-campo contou que havia tido relação sexual com a mulher do autor do crime, na residência em que a família morava, localizada no bairro Guatupê.

Daniel estava em uma casa noturna localizada no bairro Batel, em Curitiba, na noite de sexta-feira (26), quando teria sido convidado por uma aniversariante – e filha do suspeito pelo homicídio – para ir até sua residência. Já na manhã de sábado, o jogador enviou mensagens para um amigo, perguntando onde ele estava e divulgando sua localização. “Estou nessa casa, entrosei na balada e vim. Posso dormir aqui, tem várias ‘mina’ espalhada”, disse Daniel.

Em seguida, o jogador afirma que pretende ter uma relação sexual com a mãe da aniversariante, e conta para o amigo que “o pai está junto”.

Minutos depois, Daniel envia outra mensagem para o amigo, em que relata que teve a relação sexual e, inclusive, manda uma foto com a mulher dormindo ao seu lado na cama. “Moleque [risos] o que aparecer amanhã é nóis”, brinca o jogador, que não responde mais depois disso.

De acordo com uma testemunha, o atleta foi espancado pelo marido da mulher com quem teve relação logo em seguida, enquanto ainda estava somente de cueca e camiseta. “Ele estava enforcando, desferindo chutes e pontapés, e o Daniel pedindo para não morrer. Em seguida, outras três pessoas entraram no quarto e deram continuidade nos ataques”, disse o advogado da testemunha, Jacob Filho.

 

Via: News365

Vídeo mostra homem se distraindo com celular e não percebe assalto; Veja!

Um vídeo mostra um homem distraído no celular durante um assalto, em Minas Gerais. As imagens viralizaram nas redes sociais.

De acordo com o site R7, a tentativa de assalto foi em um bar. Nas imagens é possível ver um homem usando um celular ao lado do balcão e não teria percebido a presença do suspeito armado.

Segundo informações da Polícia Militar, as imagens foram captadas pela câmera de segurança do bar e os pertences dos clientes foram levados.

 

 

Veja as fotos que causou a morte do ex-São Paulo Daniel encontrada no celular de mulher

O comerciante Edison Brittes Junior, de 38 anos, assumiu que matou o jogador de futebol Daniel Corrêa Freitas, de 25 anos, segundo informou Claudio Daledone, advogado de defesa dele. De acordo com a versão de Brittes, ele arrombou a porta ao escutar a esposa pedindo por socorro e viu Daniel sobre ela, a estuprando. A decisão de matar o jogador só veio, segundo a versão da defesa, quando o marido viu as mensagens e fotos de Daniel trocadas com um amigo, em que dizia que havia tido relações sexuais com a esposa Cris Brittes.

O comerciante, que tem um mercado em São José dos Pinhais, se apresentou à polícia nesta quinta-feira (1]. Ele foi detido e acompanhou a equipe da polícia até o local onde o corpo foi abandonado na Colônia Mergulhão, em São José dos Pinhais. A esposa foi detida na noite de quarta-feira (31), no momento em que seguia para o escritório do advogado. Cris foi presa em posto de combustível, já que a polícia monitorava o celular dela. O marido só não foi preso porque já estava no escritório do advogado, que negociou a entrega para esta quinta-feira. A filha, Allana Brittes, de 18 anos, também foi detida.

A versão apresentada por Edison Brittes é de que 11 pessoas estavam na festa de aniversário da filha, na casa dele, incluindo o jogador Daniel. Ele diz que, em determinado momento, notou que Daniel havia sumido. Foi aí que ouviu gritos da esposa, pedindo socorro. Daledone informou que seu cliente foi até o quarto e a porta estava trancada. Ele arrombou e, segundo disse, viu Daniel de camiseta e cueca sobre a esposa, a estuprando.

Advogado diz que cliente matou jogador Daniel para defender esposa de tentativa de estupro
O advogado disse que, na sequência, Brittes começou a espancar Daniel e outros três amigos vieram e bateram também. O jogador ficou desacordado e foi levado para o carro e jogado no porta-malas do Veloster do empresário.

 

Porta do quarto da família Brittes arrombada – Divulgação da defesa

A versão do empresário é de que a intenção seria apenas abandoná-lo, vivo, em algum lugar. Porém, no trajeto, ele viu as mensagens que Daniel tinha trocado com um amigo pelo WhatsApp. As mensagens mostravam a esposa dormindo ao lado do jogador e também uma conversa em que ele falava que ia transar com a esposa do dono da casa.

Neste momento, segundo informou Daledone, seu cliente ficou louco e decidiu matar Daniel. Pegou uma faca e arrancou o pênis dele. Logo em seguida atingiu o pescoço.

Ao lado da polícia, nesta quinta-feira, Brittes contou que jogou o órgão genital, que foi achado pendurado em uma árvore.

 

Vinda para Curitiba

Daniel, que jogava no São bento, estava de folga e veio para Curitiba na sexta-feira (26) para a festa de aniversário de Allana Brittes, numa casa noturna no Batel. Ele estava tendo um relacionamento com uma amiga de Allana. Da casa noturna, ele, amigos e a família seguiram para a casa dos Brittes no bairro Guatupê, Lá, que tudo aconteceu.

Família do jogador
A Banda B entrou em contato com a família do jogador. A informação é que neste momento ninguém vai se manifestar.

A polícia vai dar mais detalhes do caso nesta quinta-feira em entrevista coletiva.

Fotos:

 

Via: news365

Preso, segurança confessa que matou a jovem Rayane e dá detalhes do crime: “ela surtou” Veja

“Mais um crime chocou o Brasil envolvendo uma jovem adolescente de apenas 16 anos, encontrada morta dias depois de ter desaparecido.

 

 

Entenda o caso Rayane 

Segundo as informações da polícia, a jovem Rayane Paulino Alves, de 16 anos, teria ido junto com algumas amigas para uma festa realizada em um sítio na cidade de Mogi das Cruzes. Em certo momento, ela teria dito para as amigas que tinha que ir embora mais cedo e que seu pai iria buscá-la. Mas, não foi isso que aconteceu.

 

 

Mais ou menos por volta das 5h do domingo, (21), os pais da jovem notaram que ela ainda não havia ligado e ficaram preocupado, ainda mais depois de tentarem entrar em contato com ela e não ter respostas.
A partir daí, iniciou-se uma procura pela jovem que não tinha o costume de ‘sumir’. A polícia foi acionada e começou-se uma intensa busca até que seu corpo foi encontrado já em estado avançado de decomposição, uma semana depois, no domingo (28).

 

 

Como corpo da jovem, a polícia então iniciou a procura do assassino, e depois de algumas investigações, um suspeito foi preso, Michel Flor da Silva. 

 

 

Levado para a delegacia, o rapaz que é segurança confessou o crime, mas disse que, não houve estupro. De acordo com as declarações de Michel, segundo informa o site do G1, a relação sexual foi consensual, mas depois ela teria ‘surtado’. O rapaz que é capoeirista contou que acabou dando um golpe na jovem que desmaiou e que ele teria levado-a para uma outra área onde a matou asfixiada com um cadarço.

 

 


“Michel confessa cabalmente a prática do crime. Ele diz que encontra Rayane no terminal rodoviário de Guararema e ela estava meio cambaleando. Em dado momento ela sentou em um banco naquela rodoviária”, disse o delegado.

 

 

“Ele ofereceu uma carona, perguntou se ela estava bem. Ofereceu uma água e ela não aceitou. Ofereceu a jaqueta para ela se esquentar. Ela também não aceitou. Daí nesse momento ele oferece uma carona”, continua o delegado Rubens José Ângelo.

Rubens José Ângelo também contou que Michel afirmou que a jovem queria ‘curtir a noite‘ e que chegou a chamá-lo para ir em uma balada, em Jacareí. Mas, segundo o delegado, que não acredita na versão contada por Michel, disse que tem certeza que ele já a levou com o objetivo de estuprá-la.

 

 

Ainda sobre o momento em que a jovem foi morta, Michel contou que depois da conjunção carnal, Rayane teria se arrependido e que teria dito que iria denunciá-lo por estupro. Rayane teria tentado escapar e Michel a agarrou com um golpe mata-leão, fazendo-a desmaiar. Depois ele decidiu matá-la.

A polícia descobriu que foi feito uma chamada do celular de Rayane na noite do crime para o 190, mas a ligação foi interrompida.

 

 

Veja também:

 

 

 

Via: Correio diario

Brincadeira fatal! Ciclista morre ao pegar ‘carona’ na lateral de ônibus; vídeo forte; Veja!

O estudante Marcelo Carvalho da Silva, 15 anos, morreu atropelado nesta quarta-feira à tarde quando andava de bicicleta no bairro Pimentas, em Guarulhos (Grande São Paulo). Ele foi atingido por um ônibus.

O caso ocorreu na rua Doutor Alberto de Melo Seabra, por volta das 16h30. Segundo a Polícia Civil, imagens de uma câmera de segurança mostram que o adolescente pegava “carona” segurando no ônibus com uma das mãos durante uma curva. O ciclista caiu embaixo do coletivo.

Em 26 de setembro, foi registrado outro caso de ciclista morto na cidade. O estudante Gustavo Mangelot, 18 anos, morreu prensado entre um carro e um ônibus no bairro Jardim Paraventi. Com informações da Folhapress.