Suzano: Jovem foi a pé da escola ao hospital com um machado no tórax; Veja

Um dos alunos da Escola Estadual Professor Raul Brasil recebeu machadada de um dos atiradores, conseguiu fugir e percorreu cerca de 300 metros a pé com o instrumento pendurado no peito para conseguir atendimento médico no Hospital Santa Maria. José Vitor Ramos Lemos, 18, passou por uma cirurgia e é um dos dois pacientes que permanece internado na unidade de saúde.

A mãe dele, Sandra Regina, 49, contou que o jovem estava no pátio de mãos dadas com a namorada quando correu para fugir dos atiradores. “Ao invés de correr para o lado contrário deles, ele correu a favor dos atiradores. Só que, quando ele chegou na porta, um aluno segurou a porta, aí o outro foi e atirou a machadinha nele. Ele veio correndo para cá”, disse.

O cirurgião vascular Austelino Mattos, que atendeu José Vitor, relembra a cena: “Ele chegou da escola com um machado pendurado no tórax. Veio a pé e pediu ‘me ajuda, me ajuda'”.

“Eu peguei e levei para o centro cirúrgico, nós fizemos essa remoção. Graças a Deus não pegou em nenhum vaso importante, foi feita a sutura, a remoção do machado. Agora ele está estável, está bem e vai evoluir bem”, disse o médico. O garoto deverá fazer fisioterapia após a recuperação para não ficar com limitação no movimento do braço.

A reportagem teve acesso a fotos. A machadinha, em curva, atravessou a pele do estudante em dois pontos.

Além dele, outros seis adolescentes foram atendidos no hospital, sendo três meninos e três meninas. No total, o massacre deixou 10 mortos e 11 feridos.Massacre em Suzano

+20

Sandra diz ainda que, apesar de morar a três ruas da escola, a única possibilidade que o filho enxergou foi ir ao hospital. “Em momento nenhum ele pensou em vir para casa, porque eu moro só no apartamento”, disse. Ela contou que o menino disse: “Eu não sei como eu cheguei aqui”.

A caminhada do estudante da escola até o hospital foi vista por Leonardo Martins dos Santos, 22, que trabalha num lava-rápido que fica no meio do caminho. “Teve até um rapaz que saiu com uma faca assim. Acho que ele saiu no desespero.”

Santos e o proprietário do lava-rápido, Gilvan Ongarelli, 40, acolheram estudantes que corriam da escola. “Mais de 20 estudantes, no desespero, se jogando no chão. Tava… tenso”, disse o proprietário. Santos lembra que abrigou os alunos no escritório do estabelecimento. “Na hora, fiquei sem reação, mas depois falei: ‘Fica aqui que é melhor, menos risco’. Tranquei o portão.”

Imagens mostram sequência de acontecimentos em SuzanoUOL Notícias

“Mãe, era para eu ter levado um tiro”

A mãe do rapaz falou que o filho chora muito, que está muito nervoso, abalado psicologicamente. “Ele falou só: ‘Mãe, eles planejaram, eles já foram nos Estados Unidos, uma vez foi dois alunos e fizeram isso’, ‘mãe, eu não sei como eu vivi, era para eu ter levado um tiro’ e ele chora muito”, disse.

A mãe de José Vitor contou também que no momento em que os tiros começaram a namorada dele tentou pular o muro, mas não conseguiu. “Ela pensou em pular o muro e não conseguiu. O aluno que estava junto dela levou um tiro na cabeça, nisso ela caiu e ele caiu por cima”, contou.

José fez aniversário no último dia 6 desse mês. “Eu disse que ele nasceu de novo”, disse a mãe.

Fonte: UOL