“Você tem que aguentar porque você é mocinha” dizia homem que abusava da filha de 3 anos

A polícia investigou um rapaz de 32 anos de idade. Ele é acusado de ter violentado a própria filha em 2012.  Em cumprimento de um mandado de prisão preventiva o rapaz foi preso na casa dos pais.

Segundo informações da delegada Juliana Ruma, do DEPCA (Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente), o mandado de prisão preventiva foi expedido em 2014, mais precisamente no mês de Julho. Quem expediu foi a grande juíza Carren Aguiar Fernandes logo após a formalização do delito.

Na ocasião, um IP (Inquérito Policial) foi instaurado para que se pudesse averiguar os fatos que acabaram indiciando o rapaz por abuso. Porém, o acusado fugiu para o estado de Roraima.

“O infrator era considerado foragido da Justiça, por conta da existência do mandado de prisão preventiva em nome dele. Em 2014, quando ele teve a oportunidade de se aproximar da criança novamente, ele consumou conjunção carnal. Durante depoimento, a criança relatou que dizia “Papai, está doendo”. No que ele insistia no ato, dizendo: “Você tem que aguentar porque você é mocinha”, argumentou Tuma.

Uso de entorpecentes

Foi concluído pelas autoridades que o criminoso usava constantemente entorpecentes. Mesmo assim ele ficava com as crianças na casa em que ele residia com sua mulher, que é mãe das crianças. Porém, quando a mulher dele precisava trabalhar e por isso ficava ausente da residência, ele se aproveitou para cometer tal delito.

“Ele admitiu que era usuário de drogas, mas negou ter cometido os crimes. Quando cumprimos o mandado de prisão, ele dizia não lembrar de nada e afirmava que nunca esteve na delegacia. Ele enfatizou, ainda, que agora é missionário de uma igreja”, contou.

Após o criminoso ser indiciado por estupro de vulnerável, ele foi encontrado e na sequência levado ao CDPM (Centro de Detenção Provisória Masculino).

Repercussão na web

Nas redes sociais as pessoas do país inteiro comentaram o caso. A atitude do rapaz gerou grande repercussão e revolta por usuários da web. Muitas pessoas comentaram o caso desejando que o homem seja punido de acordo com a justiça e pague pelo mal que causou a pequena criança.